DE NOVO: Nova vistoria aponta longa espera e falta de servidores no João Paulo II

Fiscalização acontece após mais uma denúncia ao TCE e foram encontrados muitos pacientes sendo atendidos nos corredores

DE NOVO: Nova vistoria aponta longa espera e falta de servidores no João Paulo II

Foto: Divulgação/TCE-RO

Durante uma visita de inspeção ao Pronto-Socorro João Paulo II, em Porto Velho, no último fim de semana, auditores do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RO) detectaram sérios problemas no hospital, como a carência de profissionais para atendimento, deficiências na infraestrutura e uma extensa fila de espera.

 

A fiscalização aconteceu após uma denúncia ser encaminhada ao TCE. O órgão tem mantido uma vigilância constante nas instituições de saúde da capital e do interior para aprimorar o atendimento à comunidade.

 

Recentemente, o Rondoniaovivo divulgou a história de um idoso de 101 anos, que estava em uma maca de ambulância e sem atendimento nos corredores da unidade de saúde.

 

Idoso de 101 anos estava em maca de ambulância e sem atendimento - Foto: Reprodução de vídeo

 

Conforme relato do TCE, durante a visita de inspeção, foram encontrados pacientes aguardando por quase 24 horas para receber uma prescrição médica, sem nenhum suporte, explicação ou orientação.

 

Outro problema identificado foi a falta de clareza na escala de plantão. Os fiscais enfrentaram dificuldades para acessar a lista dos profissionais escalados. Adicionalmente, um profissional de saúde de sobreaviso não atendeu à convocação quando solicitado pela equipe hospitalar.

 

Segundo o TCE, as enfermarias estavam superlotadas e alguns pacientes estavam recebendo atendimento médico em áreas inadequadas, como os corredores da unidade.

 

Corredores do João Paulo II, mais uma vez, estão superlotados; muitas pessoas estavam sem atendimento há mais de 24 horas, segundo TCE-RO - Foto: Reprodução de vídeo

 

Situações como a sobrelotação de pacientes, as precárias condições de atendimento e as deficiências na infraestrutura já foram observadas em diversas ocasiões, inclusive em inspeções conduzidas em 2023 pelo Ministério Público de Contas (MPC-RO) e pelo próprio TCE-RO. E o problema segue há muitos anos e em 2024.

 

Caso os problemas no hospital persistam, o Tribunal de Contas poderá responsabilizar os gestores "omissos", incluindo a direção do hospital e o responsável pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), aplicando multas e outras medidas punitivas.

 

Até o momento, a Sesau não se manifestou sobre os problemas mais uma vez encontrados pelo TCE.

Direito ao esquecimento
Como você classifica a gestão de Aldo Júlio em Rolim de Moura?
Qual pré-candidato à Prefeitura de Ariquemes tem sua preferência?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

CLASSIFICADOS veja mais

EMPREGOS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

DESTAQUES EMPRESARIAIS

EVENTOS